21 de setembro de 2012

Os pequenos seres humanos

Não consigo evitar, gosto de tudo o que eles fazem, e com o andar da vida, à medida que vão conseguindo exprimir-se a falar, a escrever e a desenhar, vou ficando assim cada vez mais dependente.
Sei que um dia acaba, cada fase dura apenas um momento por isso aproveito cada pequena coisa, tento não perder nada (mas também não tenho ilusões).

Já sabemos que a vida é a melhor escola mas descobri que ter um filho,  acompanhar o seu desenvolvimento é o ensinamento mais fascinante que existe. A perspectiva que aprendemos da vida fica inteira, completa. É como se nos lembrassemos de algo, parece que de repente ficamos detentores de um qualquer conhecimento que nos estava vedado. Não estava, claro, esteve sempre lá, nós é que víamos o mundo por outros olhos.
Agora temos mais olhos, e várias perspectivas ao mesmo tempo, o conhecimento chega de outro modo, mais completo.
E toda a humanidade está ali, naquela(s) pessoa(a) pequenina(a) e aprendemos o que fomos, o que somos, e às vezes até, o que seremos.
Pronto, chega, se me dão corda nunca mais me calo e além disso, tenho que ir trabalhar!

1 comentário:

ideias caídas das nuvens