4 de fevereiro de 2016

A começar de novo

Será apanágio de Outono? Terão as folhas a cair algum efeito de inércia virtual sobre mim?
Tanto assunto para partilhar no blog (sem interesse profundo, é certo) e eu, sem conseguir colocar organização em mim para dar corda aos pés (ou mãos) e fazer destas pequenas coisas que tanto gosto.
E com muita vontade, abro a página numa nova mensagem e penso que quem me segue (ou seguia) merece melhor.
E as palavras para mais um recomeço escapam-me. 

Passaram-se uns meses e não tenho bem noção se terei mudado muita coisa cá por dentro, sei que, como todos, descubro a cada dia novos degraus no caminho que pretendo seguir, mas, que por enquanto, se a vida me colocou aqui, é porque devo permanecer onde estou, nem que seja só por mais um dia. Há dia calmos em que tranquilamente vivo com esta "solução", outros, nem tanto assim.
No meio da confusão e da corrida da vida, faço um esforço por me ligar ao que verdadeiramente interessa, mas no meio do rio, somos levados pelo caudal.


A vida segue, o puto cresce a olhos vistos, já escreve, já lê e já opina a torto e a direito. E o nosso pensamento do futuro que antes parecia simples e longínquo, toma toda uma nova dimensão.

E por falar em futuro, saiu no passado domingo, no DN, uma entrevista a Josep Menéndez (homem da linha da frente da transformação do ensino nos Colégios Jesuitas da Catalunha). Muito interessante para quem sentiu um desajuste profundo na realidade do ensino no nosso país ou, para quem simplesmente se preocupa com o rumo e evolução da educação. Tudo aqui.

Escrevia eu que a criança já lê. É verdade. Dizia-me o mês passado (quando leu o primeiro livro todo sozinho), "Mãe, estou tão feliz, não sabia que ler era tão fácil."
E o meu coração enche, e mesmo ao escrever enquanto revivo o momento na minha cabeça, não consigo deixar de sentir uma alegria imensa e sorrio.
A vida às vezes é tão boa.

E um pouco por todo o lado percebem-se pequenas mudanças no comportamento humano, parece que se começa a ver um bocadinho mais de tolerância, aqui e ali, de empatia, ou até mesmo (trevo-me a dizer), de compaixão. Estarei enganada?  Não vale responder logo após ver as notícias na televisão. 
São novos tempos, ou talvez seja apenas cansaço da estupidez.

E seguimos com a vida.

3 comentários:

  1. A vida segue sempre e isto da blogosfera tem também o seu encanto. hoje quando recebi o teu sms, porque me leste hoje, nem sei bem o que senti...mas na verdade abraços virtuiais, também fazem " milagres"...A ver se amanhã consigo dar-te um toque de manhã cedo. mas está tudo bem ;) é só mais uma etapa. Beijinho.

    ResponderEliminar

ideias caídas das nuvens